Compare Produtos, Lojas e Preços
Negócios

O Verão e os Problemas do Turismo Litorâneo

Voltar

O turismo litorâneo tem inúmeros problemas a serem enfrentados. Apesar do aumento do número de empregos e a melhoria da economia da região, eles geram impactos negativos em diversas áreas tanto ecológicas quanto sociais.

Os turistas são atraídos pela beleza natural que o local oferece e pelos eventos esportivos e recreativos. Em relação à beleza natural, acaba-se degradando em relação ao número de turistas que freqüentam determinada região.

Quanto maior a beleza do local, mais as pessoas se interessarão a conhecer. Contudo o excesso de pessoas, principalmente no verão, aumenta a poluição, as praias tornam-se lotadas e sujas e diminui-se a sensação de lazer que as pessoas desejam. Com o tempo a praia aos poucos é abandonada  piorando o comércio local.

Quando o turista decide viajar, ele imagina um local paradisíaco e, em seu imaginário, o local de suas férias é perfeito, com lindas paisagens e onde possa participar de atividades de lazer ou para relaxar livrando-se repentinamente de problemas de seus locais de origem. De acordo com um estudo, em praticamente todo o mundo grande parte da população costuma tirar férias próximas de locais relacionadas com água, como praias, próxima de lagos, estâncias hidroviárias ou locais do gênero, com exceção aos povos da Ásia que preferem mais montanhas e campos. Este é um dado interessante para aqueles que desejam investir em negócios litorâneos.

O saneamento básico é um dos principais problemas enfrentado pelas cidades litorâneas no Brasil. Várias correntes de esgoto são despejadas diariamente nas praias. Em épocas de chuvas, grande parte do lixo é levada em direção ao mar, aumentando a incidência de doenças nas pessoas e nos animais que vivem no local.

O lixo que os turistas deixam nas praias é uma grande causa da diminuição da vinda de turistas para as praias. Ninguém gosta de freqüentar um lugar sujo, que exala um cheiro ruim e que pode provocar doenças para eles devido a falta de educação dos freqüentadores. Depois que passam as temporadas de grande turismo, ficam vários tipos de lixo que não são dissolvidos pela natureza como copos de plástico, bitucas de cigarro, garrafas e etc. 

Os comerciantes que montam barracas de lanches e bebidas nas areias das praias também devem zelar pelo patrimônio público. É dever deles manter limpa a área determinada para ele montar o seu negócio e a área onde seus consumidores ficam, fazendo uma faxina no final do dia, mas muitos não o fazem.; Com isso há o surgimento de ratos que vem de esgotos locais em busca de comida. Um cenário assim não é nada agradável para os transeuntes.

O acesso do turista nas praias aumenta nos períodos de férias escolares como julho, janeiro e fevereiro. A fauna local fica ameaçada com o crescimento de pessoas nessas regiões, pois além de aumentar a quantidade de lixo espalhado, mergulhadores ou esportistas com jet-skis e lanchas acabam espantando certos tipos de espécies marinhas e estragando a qualidade natural do local. Alguns turistas gostam de coletar e guardar alguns tipos de artigos marinhos como conchas, mariscos em pedras e outros frutos do mar que prejudicam o ecossistema do local..

Não são somente os turistas que prejudicam o ambiente, mas também as comunidades nativas, pois os mesmos se vêem prejudicadas pelos visitantes em relação à liberdade. Algumas pessoas ainda costumam levar seus cachorros para as
praias, onde ali depositam suas necessidades. Um dos itens de classificação de uma praia em relação à poluição é a quantidade de clorofórmios fecais por 100 ml de água. Alguns pescadores locais, depois de pescarem, limpam os peixes na praia e deixam os restos inaproveitáveis lá mesmo, provocando um certo mau cheiro e sujeira no local "espantando" os turistas.

Apesar de todos esses problemas que os turistas trazem de regiões urbanas para áreas onde a natureza é maior, os habitantes locais são dependentes de suas constantes visitas, o que "aquece" o comércio da região e aumenta a prosperidade e o número de empregos. Estes problemas com a natureza que os turistas trazem acabam sendo um mal necessário.

Há também o perigo de vazamentos de produtos químicos, como ocorrem na Europa, e de vazamentos de óleo em oleodutos. Depois que ocorrem acidentes deste gênero, é muito difícil de se limpar a região. Produtos químicos desenvolvidos para retirar o óleo às vezes são tão prejudiciais à saúde do que o próprio óleo. Como o governo local deseja se livrar rapidamente do dano, devido à preservação da paisagem, geralmente opta por soluções do gênero fazendo com que os ecologistas fiquem revoltados.

Está ocorrendo um aumento de procura de terrenos em regiões litorâneas. Com uma paisagem agradável, clima quente e o mar próximo, muitas pessoas não resistem à compra de uma casa de praia. Mas o acúmulo de pessoas faz com que esta paisagem maravilhosa se perca entre casas e conjuntos habitacionais. Enquanto o local está com poucas casas e a procura é grande, os terrenos tem um preço relativamente caro e as imobiliárias ganham muito dinheiro. Mas quando se aumentam a quantidade de casas, prejudicando o ambiente, há um desestímulo à procura naquelas regiões e conseqüentemente a sua depreciação.

Certos programas do governo tentam prosperar como a "Operação Praia Limpa" onde existem orientadores que divulgam os problemas que o mal cuidado com a natureza produzem, são distribuídos sacos de lixo para que o turista tenha aonde colocar seu lixo e são colocados monitores a cada quilômetro para fiscalização. Apesar disto, existem muitas pessoas que continuam desrespeitando o meio-ambiente, já que eles estão só de passagem por lá. Mesmo que seja o governo que cuide deste departamento, o turista e a população local devem conscientizar-se que a degradação do ambiente só prejudicará ele mesmo.

Reportagem: Ulisses Nunes Sodré

Voltar