Compare Produtos, Lojas e Preços
Negócios

Rede de Hotéis Deville fecha 2003 com crescimento de 9% - Mar/04

Voltar

O desempenho foi impulsionado pelo agronegócio, pelo crescimento do setor de eventos e em função de investimentos na modernização dos sete hotéis do grupo

Embora o cenário da economia mundial tenha sido difícil em 2003 e, no setor hoteleiro nacional, ainda mais complicado em função das quedas nas taxas de ocupação e compressão dos valores das diárias, a Rede de Hotéis Deville – que completa 30 anos de operação este ano – faturou cerca de R$ 33 milhões, registrando crescimento de 9% em relação a 2002. O desempenho foi impulsionado pelo sucesso do agronegócio, pelo crescimento do setor de eventos, e em conseqüência de investimentos em modernização e infra-estrutura das sete unidades da rede no Brasil.

De acordo com o diretor presidente da Rede Deville, Jayme Canet Neto, a performance em 2003 é condizente com as previsões feitas no início do ano. "Mesmo sem resultados espetaculares, o balanço é positivo. Num ano em que o PIB (Produto Interno Bruto) cresceu algo em torno de 0,3%, passar de 8% é um bom resultado", afirma.

A recuperação da economia a partir do segundo semestre, contribuiu para os índices da Rede Deville, que registrou melhor desempenho no último trimestre do ano passado. Segundo Jayme Neto, os hotéis Deville Porto Alegre Aeroporto (RS) e São Paulo Airport Marriott, de Guarulhos (SP), voltados principalmente para atender ao turismo de negócios, ficaram mais movimentados assim que se deu o clima de otimismo em relação à recuperação da economia brasileira. "Passamos a participar mais ativamente de feiras e workshops de turismo para divulgar nossos produtos fora do País, aproveitando principalmente, a parceria com a Marriott", explica, o que proporcionou um retorno, ainda tímido, dos turistas estrangeiros.

Ao longo de todo o ano, o que impulsionou o movimento nos hotéis, além do segmento de eventos, foi o agronegócio. De acordo com dados do departamento econômico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o setor responde por 31,5% do PIB brasileiro. No Paraná, o desempenho do setor agrícola foi o principal responsável pela alta no PIB do Estado, 3,1%, bem acima da média nacional. Em função disso, os hotéis da Rede Deville em Maringá, Cascavel e Guaíra, obtiveram incrementos entre 13% e 7%, respectivamente, nas taxas de ocupação. Em Curitiba, os reflexos do aquecimento no setor de negócios, somados a um trabalho intenso de padronização dos serviços e investimentos na infra-estrutura operacional das unidades Deville e Deville Express (o último de categoria econômica), também contribuíram para o bom desempenho, comparativamente ao ano de 2002.

Para Jayme Canet Neto, o resultado positivo em 2003 é uma conseqüência da política de investimentos da Rede Deville nos últimos três anos. Mais de R$ 5 milhões foram destinados à modernização e atualização dos sete hotéis da rede e à implementação de programas de qualidade e treinamento de pessoal. "Estamos colhendo os frutos de uma estratégia bem traçada. Os recursos aplicados em infra-estrutura e qualificação de mão de obra foram determinantes para que fechássemos o ano com saldo positivo num cenário ainda em fase de recuperação", finaliza.

Para o ano de 2004 as previsões mesclam otimismo com cautela. Mesmo assim, o orçamento da rede projeta um crescimento do faturamento da ordem de 15%, devendo atingir a casa dos R$ 38 milhões.

INFORMAÇÕES
Rede de Hotéis Deville
Literal Link Comunicação Integrada
Patrícia Gomes/Isabela França

Voltar