Os Rebeldes de Guadacanal

Voltar

Fomos deixando a nossa popa as ultimas ilhas de Torres, pertencentes a Vanuatu, numa tarde calma de ventos amenos e mar tranqüilo, o coroar de uma estada em um local de rara beleza Adentrávamos agora as ILHAS SALOMÃO, outro local fantástico e de incríveis descobertas. Palco e cenário das mais terríveis batalhas da 2a grande guerra no Pacifico Sul, onde os vestígios estão espalhados em  todos os locais como testemunho das loucuras que o homem pode fazer contra seu semelhante. 

Navegávamos por águas onde jamais um veleiro brasileiro estivesse estado anteriormente, e locais ate mesmo onde o Brasil era conhecido e tão somente por seu alegre futebol, o que faz em SALOMAO o brasileiro ser tratado de forma diferenciada e como um querido visitante.  

Nossa chegada se deu ao sul deste grande arquipélago pais melanésio e nossa primeira parada foi na Ilha de UTOPUA, onde travamos conhecimento com os terríveis crocodilos de água salgada, que na temporada de 98, encerraram o navegar de um veleiro suíço, abocanhando seu capitão. 

De UTOPUA rumamos para a ilha NENDO, onde fizemos os nossos documentos de entrada no pais legalmente. Na cidade de LATA a chegada dos brasileiros foi motivo de festa, repleta de encontros fantásticos e inesquecíveis. Os brasileiros em Lata!!!!!!!!!!
Em LATA recebêramos as informações de que havia uma guerra particular ao norte, na grande Ilha de GUADALCANAL e que nos afastássemos de seu litoral, onde os rebeldes de MALAITA estavam detendo os veleiros para utilizar sua liberação com barganhas ao governo constituído. Recentemente, um veleiro francês havia tido este contratempo.  

Na Ilha de NENDO, fizemos nosso primeiro mergulho em um naufrágio de guerra, numa profundidade de 5 a 6 metros exploramos um avião ZERO japonês, ainda intacto e no cockpit ainda havia os ossos e restos da roupa do piloto japonês.  
Incrível foi ver os instrumentos, a bússola ainda se encontra em perfeitas condições, isto já passados mais de 50 anos.

É proibido tirar qualquer objeto dos naufrágios e os mergulhadores locais, disfarçadamente, prestam atenção a este fato, pois segundo as lendas e historias, traz muita ma sorte e desgraças para o povo local.  

O fato é que ficamos impressionados com o numero de naufrágios de aviões, navios, lanchas, etc. . em SALOMAO. Algo incrível, extraordinário e diria ate único em todo o mundo. 

Outro aspecto que nos causou muita espécie é o grande numero de tubarões do tipo "Bull Shark" ao redor dos naufrágios. Estes tubarões são muitos agressivos e do tipo troncudo, de imediato nos traz a idéia de que fizeram musculação ou tomaram destas pílulas modernas que fazem a explosão muscular.  

Continuamos fazendo nossos mergulhos ate a Ilha de SAO CRISTOVAO. Quando, então, rumaríamos para HONIARA, a capital do pais na grande Ilha de GUADALCANAL. 

Cabe aqui um pouco de historia:

As Ilhas SALOMAO foram descobertas pelos espanhóis na expedição comandada por ALVARO MENDANA, por volta de 1600. Atrocidades, assassinatos em massa das populações locais são as marcas da chegada dos espanhóis, que acreditavam estar nas ilhas o tesouro do REI SALOMAO. E os inocentes locais, que não sabiam nem quem fora o REI SALOMAO, pagaram com a vida a fantasia criada pelos invasores. que pensavam estar os locais ocultando tal segredo.  

Duzentos anos se passaram sem que ninguém mais estivesse em SALOMAO, apos à desistência espanhola, face ao não encontrar o dito tesouro e a malaria quase os eliminando.  

Chegavam, agora, os modernos exploradores europeus, e os ingleses em acertos e barganhas com os franceses acabaram tendo as Ilhas SALOMAO como sua colônia.  
Isto ate a 2a grande guerra, quando os japoneses dominaram quase todo o sul do Pacifico oriental,  se preparando a ocupação da Austrália e da Nova Zelândia.  

O fato é, que ao velejarmos as Ilhas SALOMAO, encontrávamos lendas, historias e relatos desde a época dos espanhóis ate a grande guerra e ficávamos com a certeza de terem sido sempre os heróis e vencedores o povo de SALOMAO.  
Novamente em SAO CRISTOVAO, em KIRA-KIRA, onde fomos homenageados por inesquecível festa, tornaram a nos avisar que nos afastássemos do litoral de GUADALCANAL, face à existência dos rebeldes.  

Numa bela manha, demandamos a HONIARA. Inicialmente, íamos afastados das ilhas e no meio do grande mar entre elas. E já estávamos nas águas de GUADALCANAL, uma ilha de estupenda e indescritível beleza, que a mente humana maculou. Porem, a natureza cuidou de fechar as feridas, deixando a mostra, entretanto, os vestígios da desgraça.  

Um paraíso, local fantástico de águas cristais e transparentes, onde ao se mergulhar a sensação e de estar flutuando no espaço.  

Pela manha, o vento "Terral" ficava ate às 10 horas junto ao litoral e depois uma leve brisa vinha para o grande mar. Neste tempo era calmaria ate a chegada da brisa. e acabamos por resolver velejar junto ao litoral, onde tinha um gostoso vento "Terral", um visual incrivelmente belo e, claro, os rebeldes.  Mas nos estávamos com o GUARDIAN, que nunca nos deixou em encrenca.  

No estai de popa hasteamos a nossa enorme bandeira brasileira, aquele "lençol", dizíamos ser o nosso salvo-conduto, para os rebeldes em tempo de lutas intestinas e étnicas locais. Isto o fizemos ao amanhecer, por volta das 6 horas da manha.  
A velejada com o vento "Terral" era tudo que desejávamos, fantástica e as ilhotas, enseadas, praias de alvas areias, eram uma dádiva aos nossos olhos, cada visualizada se transformava, de imediato, em um cartão postal.  

Não víamos ninguém, nada no litoral, nem as típicas e pequenas construções, características e cobertas com palha de coqueiros, nada, éramos os donos deste lindo sitio e velejávamos envoltos em imagens dignas do paraíso.

Por volta das 10 horas. com o "Terral" chegando a seu termino e o leste começando a soprar suave, ouvimos tiros vindos de terra e canoas típicas locais, feitas em fibra de vidro, com potentes motores de popa, partiram em nossa direção.  

A aventura, realmente, iria ter seu inicio!!!!!!!!!!!

- QUE DIABOS VS TINHAM QUE DESOBEDECER AS ORIENTACOES?????????????

Não é exatamente isto que os amigos e leitores da REVISTA TURISMO estão
pensando?????

Nos também no momento tínhamos a mesma questão em mente!!!!!!Porem havia um forte argumento a se contrapor, éramos brasileiros e DEUS também, lógico!!!!!!!!!!!!
A grande bandeira cumprira sua função!!!

Eram umas 6 canoas com 5 homens em cada, fortemente armados, fuzis tipo leves, automáticos, com muita munição, e a recepção não poderia ser de outra forma.  

-Uau!!!  Brasileiros!!! O que e que voces estão fazendo junto ao litoral?????

E outro comentava sorrindo:

- Vocês foram avisados que não velejassem nestas águas próximas ao litoral!!!!!!!!

E verdade, porem, como somos brasileiros, o primeiro veleiro a navegar nesta águas ao sul de SALOMAO e como vocês são nossos admiradores, esta tudo em casa!!!!!!!
Pronto, resolvido o problema, e tome de subir rebelde a bordo do GUARDIAN, cerveja gelada, samba e , como sempre, as histórias do RONALDO, ROMARIO, ROBERTO CARLOS e cia. Ou seja, o papo sobre o nosso futebol, o mais querido e admirado do mundo.  

Começamos, então, a ouvir as historias e relatos do outro lado da moeda. Em MALAITA, o povo sendo massacrado, desemprego, os produtos vendidos com taxação excessiva, perseguições etc. . e as lideranças políticas de GUADALCANAL aumentando seus salários e ganhos , e a corrupção era a Tonica.  
Para nos do GUARDIAN a maior surpresa. "Nuca havíamos antes ouvido algo semelhante em nossa vida", principalmente, nós brasileiros!!!!!!!!!!!!
E o imediato do GUARDIAN, não se contendo, complementou:

- Tem narcotráfico também???????????

O fato é que os rebeldes de MALAITA foram à luta e partiram para a ação, chamando a atenção dos ingleses. SALOMAO, ainda que totalmente um pais independente, possui entretanto diversas industrias de origem inglesa e australiana, que não tem interesse de guerras internas que venha atrapalhar seus negócios, e acabaram entrando na contenda como mediadores e pacificadores, todavia ainda não chegara aos finalmente.  

Conversas, relatos, fatos e historias deixaram no GUARDIAN uma imagem diferenciada. Tivemos a permissão para continuar velejando ate HONIARA , costeando a grande ilha, mergulhando, ancorando a noite e que ninguém iria nos criar problemas.  

Os fuzis automáticos leves disparavam para o ar, enquanto o nome Brasil era em altos e eloqüentes brados reverenciado pelos rebeldes de GUADALCANAL.  

E o GUARDIAN, suave como um belo cisne branco, velejava nas cristais águas, como se deslizasse numa lamina de vidro.  

Acenos de mãos se juntavam a reflexão sobre o povo heróico de SALOMAO, com um terrível carga de lutas advindas do passado, ainda enfrenta uma luta originaria da pratica do progresso e o sempre desmedido desejo de poder e riqueza de algumas elites dirigentes.  

O nosso destino era HONIARA e, posteriormente, o retorno a AUSTRALIA, o próximo tema a ser levado a narração para os amigos e leitores da REVISTA TURISMO.  

Deixamos aqui o forte abraço do GUARDIAN e sua tripulação, e o convite pra visitarem nossas paginas e acompanharem as suas aventuras.  

OBSERVAÇÃO:
Infelizmente, fotos dos rebeldes não puderam ser feitas, por motivos óbvios!!!!!

Reportagem : João de Albuquerque (O Sombra)

João Francisco Sombra de Albuquerque (O Sombra) viaja com sua família pelo mundo a bordo do veleiro Guardian. Mensalmente ele escreve matérias de suas aventuras para a Revista Turismo. Acompanhe sua Saga!