Como viabilizar melhorias no mercado turístico brasileiro

Voltar

Que o Brasil é bonito por natureza, ninguém contesta. Mas transformar essas belezas, naturais ou não, em dinheiro advindo do turismo, é necessário investimentos. E quando se fala em investimentos, não digo apenas financeiro, mas em saúde, segurança pública e,
principalmente, em educação.

Não é difícil entender o porquê de tudo isso. Basta pensar em qual é a visão do Brasil aos olhos estrangeiros? Certamente se resume a carnaval, mulatas e Pelé, além de arrastões, favelas e tráfico de drogas. E o pior é que, muitas vezes, os próprios brasileiros tem essa visão restrita sobre o país. Um exemplo disso pode ser visto nos concursos de misses, onde as candidatas brasileiras sempre apelam para roupas inspiradas no carnaval carioca, nas baianas e até nos gaúchos no quesito "traje típico".

Mas o Brasil é muito mais do que isso. Num país de dimensões continentais, temos uma rica diversidade cultural. E o setor turístico deve privilegiar estas diferenças. Até dentro de um mesmo estado é possível encontrar áreas e culturas muito distintas. Um bom exemplo é o estado do Rio Grande do Sul. A capital, Porto Alegre, tem ares de Buenos Aires, que alia um grande mix cultural com a correria de cidade grande. A serra gaúcha, por sua vez, é muito semelhante à Europa, com sua arquitetura e a preservação de hábitos dos antigos colonizadores. O pampa gaúcho, no entanto, é tomado pela figura típica do gaúcho, com sua vestimenta tradicional, fazendas de criação de gado e churrasco feito no fogo de chão.

Recentemente, a Embratur reapareceu na mídia televisiva com comerciais que mostram como viajar pelo país é legal. Mas muito mais do que publicidade, é necessário oferecer infra-estrutura nos locais turísticos. E aí entra a questão do desenvolvimento local. Com a
globalização, cada vez mais se pensa no local, nos diferenciais de cada lugar. E isso é fundamental para o turismo brasileiro, afinal é isso que os turistas buscam: novos conhecimentos. Então, é necessário salientar as diferenças locais, seja em restaurantes, em
locais de hospedagem, etc.

Mas também é necessário investir em educação para os habitantes destes locais turísticos, seja com treinamentos e cursos sobre o setor, seja com o aprimoramento do artesanato e a especialização da mão-de-obra local. Há ainda um outro tipo de investimento que deve ser feito: o que diz respeito ao interesse do povo brasileiro por cursos de línguas. Se um brasileiro vai para o exterior, ele tenta falar a língua daquela nação. Se conhece algum turista estrangeiro, também tenta falar a língua dele. Iniciativas como estas devem ser feitas, afinal só vão trazer mais divisas para o Brasil, inibindo a criação de cinturões de pobreza ao redor de importantes pólos turísticos nacionais. 

Pensar em novos empreendimentos e em publicidade é importante, mas deixar de pensar na comunidade local pode colocar tudo a perder.

Autora: Érika Fernanda Caramello

Voltar