Turismo, Desenvolvimento Local, Lagartixas e Dinossauros - Fev/04

Voltar

Após a leitura do primeiro capítulo do livro "A Gestação do Futuro" de Rubem Alves, me ocorreu a idéia para escrever estas linhas.

Segundo o autor, nós (países em desenvolvimento) queremos ser dinossauros ao invés de lagartixas. Dinossauro? Lagartixa? O que significa isto? Calma eu explico. Ao longo de seu processo evolutivo as lagartixas invejavam seus primos Dinossauros, sempre maiores, mais fortes e poderosos, literalmente os donos do mundo. E elas, pobres seres minúsculos, teriam que se contentar com o seu universo diminuto e pouco complexo. O que aconteceu? Simples, alguém vê dinossauros hoje em dia? E lagartixas? É exatamente isto, as lagartixas sobreviveram e assistiram solenes ao funeral de seus primos fortes. E qual o motivo? Mais simples ainda. Devido a complexidade de seus organismos, os dinossauros tinham uma série de exigências para manterem seus corpos descomunais (alimentos em abundância principalmente), força e tamanho lhes foram inúteis na hora mais crucial, enquanto que as pequenas lagartixas conseguiram sobreviver por eras alimentado-se apenas de algumas poucas moscas e um pequeno local sem maiores exigências.

E o que isso tudo tem a ver com turismo? Eu sou adepto de uma filosofia que entende o turismo como uma ferramenta para o desenvolvimento local e não como forma de satisfazer o turista. Não estou dizendo que não se deva tratar bem o turista, pelo contrário, ele deve ser muito bem recebido, entretanto o foco do turismo não está nele e sim na comunidade receptora. O turismo a meu ver, deve ser praticado de forma que o local visitado saia sempre beneficiado, o que não tem nada a ver com exploração. O local pode muito bem ser beneficiado pelo turismo sem extorquir um centavo a mais do que o preço justo. E qual a saída para tal desenvolvimento?

Compare o exemplo dos grandes dinossauros aos dos mega-empreendimentos turísticos que devastam grandes áreas de mangue e o caso de pequenas localidades que recebem o turista com modéstia, porém de forma simples e acolhedora. Analise qual dos dois, dentro de uma ótica sustentável, tem mais possibilidades de se manter. A premissa é básica, todo sistema para se manter em funcionamento precisa de energia, (basta analisar o principio da Entropia, a 2a Lei da Termodinâmica) e energia significa consumo. Consumo de recursos naturais. Por isso mesmo todo processo que demande o consumo de energia para o crescimento, mais cedo ou mais tarde chega num ponto em que as necessidades serão maiores que as ofertas. É nessa hora que ocorre o colapso.

Quanto mais complexo maior a quantidade de energia o sistema vai demandar, conseqüentemente o consumo de recursos naturais irá aumentar levando a um aumento no nível de degradação ambiental. No caso dos grandes hotéis e grandes centros turísticos a quantidade de entropia gerada é deveras alta, enquanto que se for realizado um comparativo com os pequenos empreendimentos hoteleiros (principalmente os rurais) o que se verá é um resultado muito menor. Todo sistema gera entropia*, portanto, o pequeno empreendimento turístico não é a única solução para o turismo. Estou apenas apresentando uma realidade que mostra que o turismo praticado pelos pequenos núcleos receptores tem todas as premissas necessárias para ser mais observado pelas autoridades competentes no que diz respeito a destinação ode recursos. Turismo é um sistema e como tal necessita de insumos para manter-se funcionando. Qual o problema em se desenvolver um turismo local, fundamentado em "princípios de Lagartixas", para o Brasil? Lembrem-se os dinossauros foram extintos devido a seu grande porte.

* Entropia - É a medida do grau de desordem na natureza, sendo representada pela quantidade de energia que não é mais capaz de realizar trabalho.

Autor:
Itamar Dias e Cordeiro

Voltar