Turismo no Brasil - Mai/03

Voltar

O turismo é a maior indústria mundial na geração de divisas, empregos e recursos. Representa 13% dos gastos dos consumidores de todo o mundo.

Movimenta pessoas pelos mais variados motivos para os mais variados lugares. Alguns países perceberam o potencial do turismo como gerador de emprego e renda. Há tendências claras que projetam o turismo como uma das principais atividades humanas deste século. O aumento do tempo livre, o barateamento do transporte aéreo, a melhora do mercado turístico focalizada na preferência das pessoas, a melhora nas tecnologias de comunicação, a conversão de elementos das localidades para produtos turísticos, a diminuição do número de pessoas nas famílias, a juvenilização dos mercados e outros tantos fatores propulsionaram essa atividade.

O motivo das pessoas viajarem apenas foi estudado cientificamente após a Segunda Guerra Mundial, quando o movimento turístico começou a ganhar força econômica e a estrutura suas dimensões atuais. Na década de 50, as pesquisas apontavam o prestígio social (status) como a motivação principal para as viagens turísticas, demonstrado pela distância viajada, os cartões postais enviados e o bronzeado apresentado na volta. Atualmente, este fator ainda aparece na motivação pelas viagens turísticas, porém tem sido superado pela vital fuga do cotidiano, entendida como compensação para o dia-a-dia vazio e cansativo.

O Brasil, eternamente chamado de país do futuro, precisa fazer acontecer. O turismo em duas palavras nada mais é do que diferenças culturais. Será que existe algum lugar com maior pluralismo de etnia, religião e cultura do que no Brasil? Será que existe um povo mais hospitaleiro do que o brasileiro?

Que se esforça para falar a língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem. Temos que cultivar o autêntico, o que é local precisa ser valorizado. Têm lugares hoje que são tão turistificados, ou seja, fabricados, quem ficam sem nenhuma identidade local. Eles não têm referência para o turismo, hoje todos os grandes hotéis se parecem com um aeroporto e os shoppings parecem que são os mesmos em todos os lugares.

Reparem como o adolescente brasileiro de posses se veste identicamente ao adolescente americano. Antes, queria-se fazer turismo no Brasil acreditando que Deus era brasileiro, que o país era abençoado e bonito por natureza. E descobrimos que precisávamos cuidar do saneamento básico, estradas, do patrimônio histórico e capacitar pessoas. Só agora o governo começa, ainda com atraso, a encarar o turismo como produto de exportação.

Em terras isentas de guerras, terrorismo, catástrofes e de inverno rigoroso, litoral com mais de 5.000 Km de litoral com belas praias e clima tropical fazem do Brasil um grande destino turístico que não é só o melhor no samba e no futebol. Somos apenas o 30º destino turístico do mundo. Claro que sabemos do imenso problema de insegurança (aliás os privilegiados se protegem com segurança privada que já é muito maior que a segurança pública no Brasil), do problema de educação necessitar de tempo para sentir reflexos, de possuir uma das piores distribuições de renda do mundo, de saber que 80% (segundo a OMT) das viagens de curta distância e não termos vizinhos tão prósperos como os países da Europa mas, não justifica termos apenas 1% do PIB representado pelo turismo enquanto na Argentina isto representa 11% e 10% do PIB mundial, temos ou não potencial para melhorar isto? Lembram-se do repugnante preconceito que havia do Nordeste, diziam pejorativamente sobre aquela cor era baiana ou aquela roupa de paraíba! Baiano e Paraíba com orgulho sim senhor. O nordeste brasileiro se apresenta com os melhores potenciais de desenvolvimento além do seu povo maravilhoso. São 7 novos aeroportos, novos complexos hoteleiros, 25 mil metros quadrados de patrimônio histórico restaurado, são quase U$ 6 bilhões de dólares apenas nos últimos anos. Quantas pessoas você já ouviu dizer que sonha morar em alguma cidade do Nordeste? Sim, podemos transformar o Brasil!

Será que teremos um planejamento vitorioso como foi o projeto para Cancun ou dos parques temáticos americanos ou até mesmo pautado nos exemplos dos shoppings no Brasil que não param de multiplicar. Os pólos turísticos brasileiros mais conhecidos como o Rio de Janeiro e Bahia são menos visitados que Cancun, que vinte anos atrás não estava nem no mapa.

Normalmente os planejadores não querem ouvir, e as respostas são simples, pois é a própria comunidade local que sabe a solução. Exemplificando, será o pescador que saberá do clima, das marés, da reprodução do peixes por épocas do ano, etc. Nossos serviços têm melhorado muito, mas ainda estamos aquém das necessidades de uma boa qualificação nos sistemas receptivos e, no Brasil ainda pagamos as mais caras tarifas de transporte aéreo do mundo.

Somos 170 milhões de brasileiros, mas apenas trinta milhões fazem turismo e ainda 80% destes só fazem em apenas duas épocas do ano que são nas férias escolares. Precisamos desconcentrar o fluxo turístico.

Há muito está no Congresso Nacional uma proposta de alteração na Lei de Diretrizes Básicas de Ensino (LDB) que propõe as férias repartidas onde, resumidamente, os estudantes teriam uma semana de férias por mês o que reduziria a sazonalidade dos destinos turísticos, além das maiores chances da família estar junto nas férias, do empresário dividir o pagamento das férias, do décimo terceiro e o funcionário ter também o imposto de renda descontado em parcelas.

Outro dado importante é que apesar do crescimento , os vôos charter equivalem a apenas 7% do total do Brasil. Na Europa, 56% do movimento aéreo é feito com vôos fretados e nos EUA 40%.

Antigamente o governo acreditava que um país forte só precisaria de uma grande economia e de crescimento. Chegou-se a oitava economia mas também com a pior distribuição de renda do mundo. Hoje existe o discernimento que um país forte é aquele que é desenvolvido economicamente, não é só ter um grande PIB (Produto Interno Bruto) ele precisa ter um PIB per capita (a riqueza distribuída na população). Aí está a justificativa dos grandes investimentos do governo nos últimos anos na promoção do turismo, além das
condições naturais e climáticas extremamente propícias e à sua imensa capacidade empregadora e distribuidora de renda fazem do turismo e das pequenas e médias empresas o importante papel da distribuição de renda no país.

Parece que o nosso problema é mais de gestão do que de qualquer outra coisa! Cada vez mais o governo tem o seu poder de influência na sociedade diminuído, o poder econômico é quem dita as regras. Se não contribuirmos para a solução, seremos parte do problema. Qual a nossa escolha? De que lado ficaremos? Tender para o lado seguro e fazer negócios como de costume ou enfrentar os desafios e buscar soluções alternativas? Compreendendo assim, pode sim o turismo com o seu enorme potencial ser um meio extraordinário de transformação. Muitos só sobrevivem por causa da fuga que o turismo proporciona, é a chave espetacular da cura e transformação do ser humano. È notório que, enquanto está tudo tão materializado, racional e técnico, o ser humano tem buscado a espiritualidade.

Como podemos contribuir? Assumindo responsabilidades econômicas, sociais, ecológicas e ainda, lutar para implementar o turismo sustentável em todos níveis, promover a inclusão social. Tudo isso parece tão distante de nossa realidade? Não! Se cada um refletir em todas suas atitudes teremos uma vida melhor. Desde a abdicação da mesquinhesa e rispidez na disputa de espaço no trânsito, o papel que não jogamos mais no chão, humanizando o 'bom dia' amarelo e mecanizado que 'saudamos' os outros até a respeitabilidade igualitária que agimos com todas os seres humanos durante as 24 horas do dia, num mundo que se interessa mais pela velocidade e o número de informações do que pela qualidade ou profundidade delas. Tenhamos fé na infindável saúde mental dos seres humanos racionais que somos, que se permite amar e viver harmonicamente em sociedade. Assim teremos como transformar o mundo.

Autor:
Flávio de Faria Alvim
Administrador de Empresas e Professor de Turismo
Urbanova - São José dos Campos

Voltar