Perspectivas de Trabalho para o Profissional de Eventos - Jun/04

Voltar

A origem da palavra eventos vem do termo eventual, o mesmo que casual, um acontecimento, que foge à rotina e sempre é programado para reunir um grupo de pessoas (CAMPOS, WYSE & ARAÚJO, 2002). De acordo com dados do SEBRAE, acontecem, anualmente, no país mais de 330 mil eventos, envolvendo 80 milhões de participantes, o que resulta na geração de cerca de 3 milhões de empregos diretos, terceirizados e indiretos. Nos último 10 anos, o setor cresceu cerca de 300% no país (GONÇALVES, 2003) e a tendência é de permanente crescimento, uma vez que a chamada globalização, além de mudar as características da economia mundial, encurtou distâncias, aproximou povos e culturas.

O destaque para o desenvolvimento do setor não é sem fundamento, pois, de acordo com Oliveira (2000), o turismo de eventos é o segmento mais disputado pelos países, porque nestas ocasiões os produtos turísticos são vendidos por atacado, já que o turista de eventos hospeda-se por longas estadas, devido à duração do acontecimento, e contribui para a arrecadação local: freqüenta shoppings, cinemas, teatros, bares, restaurantes, etc. Além de ser um bom negócio para os locais receptivos, esse tipo de turismo independe dos fatores climáticos.

O mercado, para os profissionais da área, mostra-se promissor, já que eventos são realizados com as mais diversas finalidades: para comemorar, expor, divulgar produtos, etc; e, até mesmo, como estratégia para o desenvolvimento turístico de um município ou minimizar a sazonalidade nos estabelecimentos de hospedagem.

Os Eventos e o Mercado

O evento é muito mais do que o planejamento, a programação, a execução e o monitoramento de uma seqüência de atividades destinadas a um público específico e realizadas em local apropriado. O evento deve ser pensado como uma atividade econômica e social que gera uma série de benefícios para os empreendedores, para a cidade promotora, para o comércio local, restaurantes, hotéis e para a comunidade (BRITTO & FONTES, 2002).

Para comprovar tais benefícios, nos reportamos a alguns municípios que já o constataram: segundo a Associação Internacional de Congressos e Convenções, o Rio de Janeiro ocupou, no ano de 2000, o quarto lugar no ranking mundial de eventos como feiras e exposições, e depois de anos de estagnação, a hotelaria da cidade operou com uma taxa média de ocupação de 75% durante todo aquele ano (CAIXETA, 2001).

Na Região Metropolitana de Campinas a situação não é diferente, 70% da ocupação dos hotéis devem-se aos eventos, de acordo com o Campinas e Região Convention & Visitors Bearau, motivo pelo qual está ocorrendo um boom hoteleiro na localidade. A Capital paulista também não fica de fora, a Prefeitura de São Paulo deve investir cerca de R$ 1,1 milhão para melhorar a infra-estrutura de receptivo da cidade e atrair os visitantes de feiras e negócios, buscando, ainda, fazer com que este turista permaneça no município durante o fim de semana, após o evento (PRANDI, 2003).

Além disso, o setor de eventos responde por grande parte dos fluxos turísticos para uma infinidade de destinações. Multidões viajam para eventos religiosos como o Círio de Nazaré, em Belém, ou a Paixão de Cristo, em Nova Jerusalém, ou para eventos esportivos como a Corrida de Fórmula 1, em São Paulo, ou para eventos culturais como a Festa do Boi Bumbá, em Parintins, no Amazonas, ou para eventos agropecuários, como a Festa do Vinho, em Caxias, no Rio Grande do Sul, ou a Festa do Peão Boiadeiro, em Barretos, em São Paulo, ou eventos comerciais como o Salão do Automóvel, ou a Feira de Utilidades Domésticas, em São Paulo, ou para eventos técnicos e científicos que ocorrem pelo Brasil todo. Tal setor tem sua importância ainda mais ampliada, se considerarmos que por meio deles os negócios são alavancados, as ciências e as tecnologias evoluem, as informações são socializadas, o entendimento é atingido (SEBRAE, 2001).

Os benefícios não param por aí: ainda de acordo com dados do SEBRAE (2001), estes indicam que somando os gastos dos participantes, a receita das locações e das empresas organizadoras, chega-se a uma renda total de R$ 37 bilhões por ano, o que representa 3,1% do PIB brasileiro e a arrecadação de tributos gerada é estimada em R$ 4,2 bilhões.

Enfim, tais dados comprovam o constante desenvolvimento do mercado de eventos que a cada dia atrai novos investimentos. Assim, cresce, consideravelmente, o campo profissional para o organizador de eventos e/ou as empresas.

O Profissional de Eventos e as Perspectivas de Trabalho

Para Britto & Fontes (2002), o profissional de eventos, entre outras qualidades, deve ser seguro, gerando confiança para o cliente e para os funcionários; disciplinado, respeitando prazos, verbas, reuniões; ter flexibilidade, aceitando sugestões, adequando propostas, mudando etapas de trabalho; ter raciocínio rápido, entendendo a capacidade, os anseios e as expectativas dos clientes e funcionários; ter preparo físico, disposição e saúde; ser realista, percebendo os limites, as opções e saber usá-las sabiamente; ter paciência infinita, exercendo o autocontrole e a serenidade.

Neste mercado, encontramos os organizadores de eventos que se constituem em poucas empresas privadas com larga experiência de mercado, e que se dedicam à organização geral dos eventos sob sua responsabilidade, prestando serviços altamente profissionais. De outro lado, existem planejadores de eventos possuindo apenas noções básicas de organização e encarando o seu trabalho como um serviço de apoio, que, freqüentemente, não é a atividade mais importante de seu emprego.

O setor é uma importante fonte geradora de empregos em todo o país. Uma pesquisa realizada pelo SEBRAE, em 2001, mostrou que cada espaço para eventos contrata, em média, 6,8 funcionários fixos. Este número, multiplicado pelos 1.780 espaços, resulta em 12.104 postos de trabalho diretos, aos quais deve-se acrescentar 58.240 empregos terceirizados. Os espaços para eventos do país geram 70.344 empregos diretos e terceirizados.

As empresas organizadoras contratam em média 24,2 empregados fixos e 386,6 terceirizados. Considerando apenas o universo de 400 empresas e entidades que constam desta pesquisa, o número de empregos chega a 164.320 diretos e 492.960 terceirizados (um total de 657.280).
Tudo somado, pode-se afirmar que a indústria de eventos no Brasil é responsável por 727.624 empregos diretos e terceirizados.

Considerando os empregos indiretos conforme padrões da industria turística brasileira - três indiretos para cada direto e terceirizado - pode-se inferir que o setor de eventos no país é responsável pela geração de 2.910.496 empregos. Para melhorar vislumbrar tal situação, apresentamos o seguinte gráfico:


Fonte: Pesquisa FBC&VB/SEBRAE/CTI, Novembro/2001.

Os eventos são, incontestavelmente, o maior e melhor meio de desenvolvimento nacional, do fomento da economia e da geração de empregos (Britto & Fontes, 2002) e, é visto que, autoridades governamentais, empresas privadas e diversos profissionais já estão cientes dos benefícios causados por tal atividade, desta forma há inúmeros investimentos neste setor, que está em constante incremento no país.

O setor é responsável pela geração de grande número de empregos, entretanto, encontramos, no mercado de eventos, inúmeros profissionais, se aventurando, sem conhecimento sobre as peculiaridades do setor, muitas vezes, tal situação acarreta desilusões aos participantes, aos clientes e pode, ainda, não trazer os resultados esperados.

Porém, o crescimento do mercado de eventos ao mesmo tempo em que cria oportunidades para diversos profissionais, acaba tornando-o altamente competitivo, acredita-se, portanto, que o profissional deve atentar ao exercício continuado de sua criatividade e inteligência, aliados à especialização na área para que se destaque no mercado e mostre que a qualificação profissional traz resultados surpreendentes. Além disso, o profissional deve estar sempre se atualizando, para não estarem, em pouco tempo, ultrapassados.

Além disso, é possível constatar que a maioria dos empregos (75%) na área de eventos são terceirizados, provavelmente, esse número corresponda aos serviços, como: buffets, audiovisual, transportes, segurança, recepção e informação, limpeza, entre outros.

Bibliografia
BRITTO, Janaína e FONTES, Nena. Estratégias para eventos: uma ótica do marketing e do turismo. São Paulo, SP: Aleph, 2002.
CAMPOS, Luiz Cláudio, WYSE, Nely e ARAÚJO, Maria Luiza da Silva. Eventos: Oportunidade de novos negócios. Rio de Janeiro, RJ: Senac Nacional, 2000.
CAIXETA, Nely. “A explosão do turismo”. Exame, São Paulo, SP: março, 2001, p.40-59.
GONÇALVES, Fabiana. “Nichos dão o tom no mercado”. Turismo em Números, São Paulo, SP: ano 2, edição n°17/2003, p.14-21.
OLIVEIRA, Antônio P. Turismo e desenvolvimento: planejamento e organização. São Paulo, SP: Atlas, 2000.
PRANDI, Daniela. “Abertura econômica impulsiona mercado”. Correio Popular, Campinas, SP: Caderno Hotéis e Convenções, 20 de março de 2003, p.02.
_______________. “Em Campinas, eventos garantem 70% da ocupação”. Correio Popular, Campinas, SP: Caderno Hotéis e Convenções, 20 de março de 2003, p.02.
SEBRAE (Serviço Brasileiro de apoio as micro e pequenas empresas). I Dimensionamento econômico da indústria de eventos no Brasil. São Paulo, SP: Revista dos eventos, 2001.

Autora:
Fernanda Fernandes
Bacharel em Turismo pela PUC Campinas e estudante do 3° semestre da Pós Graduação em Administração e Organização de Eventos do SENAC – Águas de São Pedro.

Voltar