A Pedra da Mina : maravilhas e problemas- Dez/02

Voltar

Em 3 de junho de 2001, uma das reportagens do programa Fantástico da Rede Globo anunciou uma novidade espetacular : o ponto mais alto da Serra da Mantiqueira não é mais o Pico das Agulhas Negras ( 2789 m, Itatiaia/RJ) e sim o pico Pedra da Mina ( 2797 m , entre Passa Quatro/MG e Queluz/SP), 8 metros mais alto, e que agora é o 4º mais alto do Brasil.

Mostrou também imagens belíssimas e dados muito interessantes sobre uma região praticamente virgem em função da dificuldade extrema de acesso. Tudo isto em meio à civilização, entre o Rio de Janeiro e São Paulo.

A aferição fora feita com os métodos mais modernos (uso de GPS/ através de satélites) cujos equipamentos foram levados até lá de helicóptero, tal a dificuldade de acesso. Inclusive foi comprovado erro em altitudes de outros picos daquele maciço ( da Serra Fina) e também do próprio pico das Agulhas Negras. Mapas aéreos, atlas, etc, terão que ser corrigidos em função disto. Talvez isto explique os 3 acidentes com aviões, ocorridos naquela região.

O principal responsável por estas conclusões foi Lorenzo Bagini, um formando em Geografia da USP, apaixonado por montanhismo (em especial pela Mantiqueira) que freqüenta e pesquisa esta região há anos.
Eram dados que ele praticamente já percebia mas não queria difundir enquanto não conseguisse meios tecnológicos apurados para comprovar.

Além disto, ecológico consciente que é, temia por alguns dos efeitos posteriores que esta divulgação traria.
E ele estava certo. A reportagem aguçou a curiosidade de pessoas de todo o Brasil que agora estão tentando chegar lá e ver as maravilhas anunciadas.

E infelizmente, dentre os curiosos, sempre existem aqueles que não têm as noções de postura ecológica quando se trata de uma região especial como aquela, com uma biodiversidade quase intocada.
Com certeza, ainda existem lá, plantas, insetos, aves, etc, desconhecidos, ainda não catalogados, e tanto a fauna como a flora nestas circunstâncias são muito frágeis perante os efeitos da atividade humana.

- Por exemplo, a visita repetida de grupos de 10 pessoas juntas àquela região, pode eliminar um determinado dado científico antes que venhamos a conhecê-lo !

Tomando como base o que já ocorreu em outros locais, e em sintonia com Lorenzo, pessoas da área científica e ecologistas estão preocupados com as repercussões de tudo que comentamos anteriormente.
Torna-se urgente portanto, a proteção, a regulamentação ao acesso e a educação dos prováveis visitantes que continuarão a tentar chegar àquele "paraíso". A simples criação de uma "trilha", a "limpeza" de uma área para acampar, o uso indevido das minas d'água, etc, vão afetar o ecossistema e a vida natural em andamento há tantos séculos.

Em função de tudo isto, está em fase de planejamento pela Prefeitura de Passa Quatro e coordenado pelo Lorenzo Bagini, um Fórum aberto à população, organismos públicos e do terceiro setor, cientistas e demais interessados, a ser realizado na cidade em meados de julho próximo para tratar destes assuntos.
Em especial serão convocadas as cidades circunvizinhas ao maciço ( Queluz, Itatiaia, Itamonte, Lavrinhas, Cruzeiro e Itanhandú).

De qualquer forma, todos os interessados em ajudar serão bem vindos.
Em breve a Agenda será divulgada na mídia, apontando os palestristas e demais informações.

Obs.: paralelo ao Fórum, o local estará aberto para exposições de equipamentos de uso em trekking, montanhismo, fotos, material de ONGs, etc, e principalmente para a divulgação das Agências de Ecoturismo que atuam na região. Aproveitem para fazer o seu Marketing e demonstrar o seu profissionalismo.
A disponibilidade de um DataShow permitirá apresentações (informatizadas) de disquetes em um telão.

Autor:

Engº Kleber Rocha ( pelas Secretarias de Cultura, Turismo e Meio Ambiente da Prefeitura Mun. de Passa Quatro * Terras Altas da Mantiqueira )

Voltar