Como evitar o mico do Turismo - Abr/05

Voltar

Muitos devem ter lido a reportagem “O mico do Turismo”, publicada na Revista Você SA de janeiro/2005 e tiveram a mesma impressão das pessoas citadas na reportagem, ou se perguntaram se “realmente estão na área certa?”.

Para responder isso, antes de tudo é preciso se perguntar se gostam realmente dessa área, essa é a questão primordial, é preciso fazer o que gosta, só assim terá disposição para aprender e crescer em qualquer atividade.

Quanto ao turismo, realmente muito do que foi dito na reportagem é verdade, mas isso é um problema de cultura, que precisa ser mudado. Para começar, trabalho existe, é muito. Emprego, nem sempre. Esse é um primeiro paradigma que precisa ser quebrado. O que se vê muito hoje em dia nas faculdades, e falo isso por estar no último ano do curso de turismo, é que muitos alunos ficam esperando as coisas acontecerem e não é assim que o mercado funciona, o se precisa é de gente com iniciativa, gente que faça acontecer.

Além disso, é preciso entender que nem sempre se pode ou se consegue começar por cima, muitos querem direto o “filé mignon” sem terem roído o osso antes e isso é um erro, é preciso conhecer a área, conhecer o mercado e a melhor forma é aprender na prática. É estranho, pois é comum vermos estudantes e/ou recém formados irem para o exterior e se submeterem a trabalhos operacionais que não fariam aqui no Brasil, mas fazem lá fora. Seria somente vergonha?

Como foi citada na reportagem, a quantidade de empregos na área operacional é muito maior e isso é o normal em qualquer empresa, não importa o segmento onde a empresa esteja inserida. É claro que algumas áreas pagam melhor que outras, que também é normal, mas não se espera que quem trabalhe numa área operacional ou inferior no organograma permaneça lá para sempre, é preciso evoluir, ir atrás, se atualizar, estudar, aprender outros idiomas, como em qualquer área, é preciso crescer.

Outro detalhe importante, é preciso olhar para o empreendedorismo com mais seriedade e importância. Este pode ser um caminho eficaz para permanecer e crescer no mercado de turismo. Como disse, é preciso gente com iniciativa e, além disso, é preciso gente com talento e criatividade. O turismo é propaganda é algo intangível, não é vendido como um eletrodoméstico ou um carro, onde podemos experimentar antes de usar ou devolvermos se não gostarmos. No turismo vendemos sonhos, expectativas, por isso é fundamental sabermos trabalhar isso. O que abre um nicho de mercado muito interessante para pessoas empreendedoras, criativas e talentosas.

É importante ter pessoas criativas planejando e promovendo o turismo, empresas e consultorias que vejam o turismo de maneiras diferentes, que atuem junto aos diversos setores e com isso divulguem e trabalhem o turismo com competência e seriedade, não podemos mais ter casos onde a secretaria de turismo de um município é ocupada pelo primo do prefeito que foi pra Disney World e por isso está habilitado para a área, como acontecia antigamente.

Uma outra questão é o papel das instituições de ensino, como foi colocada na reportagem, a quantidade de profissionais que se formam atualmente em turismo é muito grande, gerando mais demanda do que oferta e nem sempre esses profissionais estão capacitados para entrar no mercado, pois no passado, muita propaganda se fez sobre o turismo, como sendo uma área promissora, com muito futuro e com isso “pipocaram” cursos de turismo pelo Brasil inteiro e com níveis de qualidade extremos. A idéia de cursos técnicos é interessante, pois irá capacitar profissionais para cargos operacionais que com o tempo, e competência, irão subindo na escala corporativa.

O que se pode tirar disso tudo é que, precisamos mudar nossa cultura, o jeito de ver o turismo, pois muito se diz que o Brasil é o país do turismo, mas praias e paisagens bonitas existem em muitos outros países, além de diversos outros atrativos que em alguns casos temos e em outros não. Precisamos nos preocupar com a infra-estrutura básica, com segurança, itens que melhoram a qualidade de vida da população e em conseqüência dos turistas, mas principalmente, precisamos melhorar a nossa propaganda, o nosso planejamento e entender que muitas vezes precisamos nos submeter a trabalhos menos valorizados, mas que irão agregar valores e conhecimentos importantes e nunca esquecer que não podemos parar de atualizar-nos, isso é fundamental.

O turismo é uma área apaixonante, interessante, importante economicamente e com muita coisa a ser realizada, mas precisa ser entendida e trabalhada de maneira correta, é isso que falta para a distribuição e geração correta de empregos, para a melhoria dos serviços, ou seja, para o equilíbrio da área.

Autor:
Fábio Luiz Furtado
É sócio da Atlantis Consultoria, empresa especializada em planejamento e marketing turístico, com unidades em São Paulo e Florianópolis, é membro do Fórum Jovem Empreendedor da FIESP (FJE-Fiesp), colaborador e articulista em algumas publicações de turismo.
Graduado em Ciência da Computação (PUC-PR) e Turismo (Universidade Anhembi Morumbi) e pós-graduado em Gestão Empresarial (IPEP-SP).

 

 

Mande o seu artigo também, clicando na cartinha 
ao lado, e promova seu trabalho expondo-o aqui!

Voltar