O turismo precisa do comunismo? - Mai/04

Voltar

A atividade turística tem caráter econômico, e como todo mundo sabe, no capitalismo qualquer atividade lucrativa sustenta esse sistema. No caso de Cuba que mantém a ideologia comunista, possui dados estatísticos admiráveis no contexto social. Apesar desses dados, é inevitável a influência do capitalismo em Cuba; que já acontece.

O fracasso do comunismo talvez esteja numa generalização do tédio. Esse negócio de que alguém deve ser de alguma forma semelhante a outro, em vários aspectos, é um obstáculo a imaginação. É a imaginação que dá asas aos empreendimentos, e a partir daí, surgem sentimentos fervoros como o medo, o entusiamo, a deslubramento, etc, que contribuem para que a vida seja um pouca mais colorida. É óbvio, que existe o lado negativo como as depressões, as fobias( medo doentio), as repressões, as guerras, etc, que contribuem para que a vida seja uma desgraça. Porém, o lado negativo do capitalismo é uma das formas de sustentar o próprio sistema. A diferença entre capitalismo e comunismo é que o capitalismo sabe tirar vantagem de tudo.

No turismo pode ocorrer algo curioso, uma atividade capitalista que visa lucrar com a ideologia comunista. Isso pode acontecer da seguinte forma: tem muita gente que sente curiosidade em saber como é, realmente, um país de ideologia comunista; como foi desenvolvido tal sistema e a absorção dela pelos habitantes, etc. É a oportunidade do turista vivenciar aquilo que ele estudou na escola, pois todo aquele conhecimento sobre ideologia política que foi cobrado na prova pelo seu professor possa ser visto na prática.

Pois é, como se pode ver, o mundo já pode ser visto como um produto, e produto é coisa de capitalismo; e tudo que acontece nele, quanto mais raro, mais lucrativo será. O capitalismo já incorporou muitas características do comunismo, como a equidade, a responsabilidade social, etc; isso porque a maioria dos que sustentam o sistema não rendem bem no trabalho ou com o próprio sistema se se sentirem excluídos ou injustiçados.

Se pensarmos que tudo pode se transformado em atrativo turístico que, entretanto, o mesmo só continuará sendo atrativo se existindo; concluiremos que os estudos acadêmicos sobre turismo não é, de alguma forma, em vão; e que existe a possibilidade do turismo possuir, futuramente, uma epistemologia. Os estudos sobre turismo ainda são recentes, porém, os objetos para estudos são bem diversificados.

Autor:
Diego Magalhães Silva
Estudante de Turismo - PUC-Minas
Belo Horizonte/MG

 

 

Mande o seu artigo também, clicando na cartinha 
ao lado, e promova seu trabalho expondo-o aqui!

Voltar