Uma Percepção sobre a Cidade e o Turismo em Balneário Camboriu - SC - out/04

Voltar

O presente trabalho é resultado de uma visita técnica realizada em Balneário Camboriú/SC, no período de 23 à 30 de maio de 2004. A visita técnica a Balneário Camboriú teve como motivação, adquirir conhecimentos, assimilar as informações obtidas e desenvolver uma investigação turística através da observação, levantando dados e informações referentes à Balneário Camboriú e a atividade turística de forma geral.

A visita técnica tinha como finalidade cumprir um roteiro de atividades previstas num projeto de pesquisa, o qual foi elaborado com o propósito de desenvolver um estudo sobre a atividade turística local, envolvendo vários aspectos como a paisagem, os atrativos turísticos visitados, a ocupação do espaço marinho, a infra-estrutura básica e turística, bem como as facilidades de acesso e os serviços direcionados para o bem estar do turista, para cumprimento de atividade correspondente ao estágio curricular.

Para realização desse trabalho, adotou-se como metodologia de abordagem a observação direta in loco, a pesquisa bibliográfica, a Internet, pesquisas documentais nos sites da SETUR , da Prefeitura de Balneário Camboriú e da Secretaria do Meio Ambiente local, tendo como referência teórica, a análise de documentos e a prática da pesquisa para obtenção das informações; levantamentos dos aspectos ambientais, controle da poluição e qualidade da água do mar e análise dos serviços prestados ao turista. Adotando critérios da percepção, identificou-se pontos negativos quanto ao planejamento turístico de Balneário Camboriú quanto a ocupação do espaço litorâneo; ressalta pontos positivos para satisfação dos turistas.

O presente estudo procura focalizar a cidade de Balneário Camboriú e seu potencial turístico dentro do cenário turístico nacional e internacional, destacando sua divulgação como um dos melhores destinos turísticos do país.

1- UMA PERCEPÇÃO SOBRE A CIDADE DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ/SC
Balneário Camboriú é uma bonita cidade do litoral catarinense, considerada um dos maiores pólos turísticos do Brasil. Dotada de diversos atrativos naturais, históricos e culturais, e outros atrativos artificiais integrados ao meio natural, além de outras tantas opções de lazer e entretenimento. São vários fatores que influenciam o desenvolvimento do turismo em Balneário Camboriú.

Os recursos naturais e sua privilegiada geografia denotam formações do relevo que configuram belas paisagens e lindos recantos de mar, contando também com a presença de pequenas porções da Mata Atlântica. Com uma área de 50 km², Balneário Camboriú teve sua autonomia, desmembrando-se do município de Camboriú, em 1964. Tem aproximadamente 80 mil habitantes, e recebe por ano quase dois milhões de turistas.

Tem uma localização geograficamente privilegiada, próxima dos grandes centros e pontos turísticos de Santa Catarina, como o Parque Beto Carreiro World, a Disney brasileira, à 32 km, localizado na cidade de Penha; a cultura e tradição alemã de Blumenau e Brusque, além de outras tradições italianas, polonesas e portuguesas; as belezas de suas praias, de Bombinhas, Porto Belo e outras interessantes atrações turísticas espalhadas por quase todos os municípios, do turismo de eventos, das tradicionais festas da cultura alemã, italiana, portuguesas, às tradicionais festa da Uva, a Oktoberfests em Blumenau e outras do mesmo gênero, a Fenarreco em Brusque; do ecoturismo ao turismo rural.

Balneário Camboriú é a primeira cidade entre os municípios turísticos do Estado, com a melhor qualidade de vida, de acordo com o IDH – Instituto de Desenvolvimento Humano, e segundo pesquisa divulgada pela ONU, está entre as dez cidades do Brasil com melhor qualidade de vida.

A cidade explora bem a atividade turística, pois esta é a principal atividade econômica para a localidade. Dispõe de excelente infra-estrutura turística, com destaque para a rede hoteleira com 110 hotéis e quase 20 mil leitos, restaurantes de diversas categorias e diversidade gastronômica, nacional e internacional.

Em Balneário Camboriú existem facilidades de serviços oferecidos gratuitamente ao turista, como o transporte para visitação ao Complexo Turístico Cristo Luz, o serviço de informações turísticas através do telefone 1516 com ligação de qualquer telefone público da cidade.

Balneário Camboriú é uma cidade que prima pela limpeza, tanto das ruas quanto das praias. O serviço de limpeza urbana é constante. Os limpadores de rua trabalham em dupla, na maioria das vezes, de manhã e à noite, tudo para deixar a cidade limpa para os turistas. Também é proibido levar cães para a praia. Ao contrário das praias de Fortaleza que no último verão passado se apresentavam sujas, com lixo espalhado pelas areias da praia, e os moradores do local também costumam levar os cão para o banho de mar, o que também deveria ser proibido, uma vez que o animal é um poluidor, pois as necessidades fisiológicas do mesmo são feitas em qualquer lugar.

O serviço de transporte urbano na Avenida Atlântica é feito pelo Bondindinho, espécie de bonde com janelas panorâmicas, na cor vermelha e pára em qualquer local, é só dá sinal, tanto para embarque quanto para desembarque. Ele faz todo o percurso da Orla marítima.

O comércio, nesse período de baixa temporada abre a partir das 9:00 horas e fica aberto até às 22:00 horas.
Porém, nem tudo é 100% em Balneário. Observou-se que não existe placa de sinalização de controle de velocidade, não existe guarda de trânsito, pelo menos não foi visto nenhum, e a maioria dos motoristas simplesmente não respeitam a faixa de pedestre, andando em alta velocidade na Avenida Brasil, onde há poucos semáforos e onde se concentra o comércio de uma forma geral. As pessoas residentes também não sabem prestar informações, na maioria das vezes em relação a endereços e pontos turísticos.

Um aspecto observado e que conta ponto positivo, é a questão também da segurança. A cidade é tranqüila, não representando perigo para nenhum visitante. As pessoas andam tranqüilamente pelas ruas, pois não há violência acentuada, assaltos, podendo se usufruir da liberdade de ir e vir, a qualquer hora sem problemas. Não que se queira dizer que em Balneário Camboriú não existam problemas dessa ordem, pois a Cadeia Pública está bem próxima do centro de lazer de Balneário, perto da Praia Central, cerca de 400 metros.

O presídio não apresenta infra-estrutura normal para a quantidade de detentos que lá existem. Projetada apenas para atender 90 presos, a Cadeia está com sua capacidade esgotada, pois já são 260 presos, o que representa uma ameaça para os policiais e para a população local. Mais uma grave conseqüência do crescimento desordenado de Balneário Camboriú, que em detrimento do turismo, priorizaram somente infra-estrutura para o turismo, esquecendo das reais possibilidades de crescimento deste tipo de problema que ameaça a sociedade como um todo.

Apesar das precárias condições e da superlotação da cadeia pública de Balneário Camboriú, há casos de extrema surpresa, pois como o espaço lá dentro é reduzido, as portas das celas que dão para o pátio ficam abertas para possibilitar a circulação dos presos. Como não há celas suficientes para todos, os presos dormem no pátio e quando há mudanças de clima, eles se ajeitam usando pedaços de sacos plásticos transparentes e lona como abrigo. Apesar disso tudo, a situação é considerada tranqüila, pois não há movimentação de revolta e somente ocorreu uma fuga durante este ano. De acordo com a administração da Cadeia Pública, os detentos fazem cursos de primeiros socorros, de garçom com espanhol, informática e artesanato. E os detentos que já cumpriram um sexto da pena, prestam serviços fora da cadeia. Isso é impressionante!

As ruas do centro da cidade são numeradas, divididas em números pares e ímpares. Para facilitar a movimentação das pessoas e também o trânsito do transporte urbano, a cidade foi dividida em avenidas e bairros, sendo a primeira, a Avenida Atlântica onde se concentra os hotéis, restaurantes, bares e boates, onde está toda infra-estrutura turística da cidade, a orla marítima e o calçadão, dotado de telefone público a mais ou menos uns 100 metros de distância um do outro, bancos, jardim público, iluminação e barracas de alvenaria.

A segunda é a Avenida Brasil, onde concentra todo comércio, lojas, Shopping Center, farmácias, supermercado, entre outros. Depois vem a Avenida Central onde também existe comércio diversificado e outras utilidades. Em seguida, vem a 3ª, 4ª e 5ª avenida, onde se concentra a população, a via gastronômica, a avenida do Estado, a BR 101, os bairros e as ruas com nomes diversos.

Balneário Camboriú é a menor cidade do Estado em extensão, 50 km², porém é a cidade que mais cresceu nos últimos anos. Com apenas 39 anos de existência, já ocupa praticamente toda sua área. Em toda extensão do espaço litorâneo, a ocupação foi intensa, com a edificação dos mais variados tipos de arranha-céus, pois são prédios de apartamentos bem altos, entre 12 a 20 andares, construídos bem próximos das praias, causando impacto ambiental, devido o sombreamento das mesmas.

Em Balneário Camboriú, por volta das 15:00 horas, a sombra dos edifícios já cobre quase todo espaço da praia e parte das águas à beira-mar, causando o microclima. O planejamento turístico de Balneário Camboriú, certamente não previu esse impacto, bem como não respeitaram uma distância média entre as edificações, a avenida, o calçadão e a praia.
Segundo Cooper, (2001, p.182):

A construção de hotéis altos em beiras de praias é um impacto do turismo que adquire altíssima importância. Esse tipo de pilhagem ambiental é menos comum hoje em dia do que foi durante o período do crescimento rápido, nos anos 60 e 70. Em alguns países, [...] a questão da disponibilidade de terra está, muitas vezes, no topo da agenda das reuniões de planejamento. Foram introduzidas regulamentações para restringir empreendimentos à beira de praias até a altura que não seja maior do que a dos coqueiros[...], ou limitá-los a uma certa distância da praia (como em parte da Índia).

Em Balneário Camboriú, a distância entre a praia e o calçadão é menor que a distância adotada para a instalação de um telefone público a outro. O espaço disponível para o vai e vem das ondas é muito pequeno. Quando o mar está mais recuado, o espaço até se mostra razoável. Porém, se o fluxo das ondas aumenta, o espaço se torna pequeno, e se em alta temporada a praia estiver cheia, não tem como as pessoas se expor ao sol, não tem como as crianças brincarem na areia, nem tão pouco terá espaço para o futebol de praia e o voleibol, esportes comuns praticados pelos frequentadores de praia. A capacidade de carga da praia fica esgotada, porque nem todo mundo fica dentro d’água. Há uma saturação do atrativo, fazendo com que muitos visitantes se desloquem para outras praias mais distantes, porque a Praia Central de Balneário Camboriú fica superlotada.

Outra questão observada, é que no inicio da noite, por volta das 18:00 horas, o mar começa aumentar seu fluxo, e no vai e vem das ondas, a água começa a bater na parede do calçadão. Isto ocorre em dias normais, com o mar tranqüilo, imagine então, se houver uma ressaca com a violência das ondas? É um caso a se pensar.

É, Balneário Camboriú é uma cidade muito bonita, não resta dúvida. Dotada de uma boa infra-estrutura turística, mas tem lá os seus problemas de planejamento. A cidade continua crescendo a passos largos, e segundo o MMA, no relatório de Zoneamento Ecológico - Econômico – ZEE, de acordo com o Mapa de

Diretrizes de Uso e Ocupação Territorial, observa o seguinte:
A região hidrográfica RH 7 – Vale do Itajaí – foi subdividia em cinco sub-regiões para o prognóstico de diretrizes de uso e ocupação, de acordo com suas características diferenciadas. Em cada uma delas serão apresentadas as diretrizes de uso e ocupação, tendo por base os espaços físico-natural, rural e urbano e as condicionantes físico-legais anteriormente explicitadas. [...] Quanto a Balneário Camboriú, cuja área urbana já transpôs a BR-101, propõe-se que seja delimitada uma nova área urbana, separada de Camboriú através de um contorno desta rodovia. Esta providência permitirá duplicar a capacidade atual. Deve-se levar em consideração, também, a existência de extensas áreas no município de Itapema(mesmo não pertencendo à RH 7, ao oeste da BR-101, com características adequadas para a ocupação urbana. Estas áreas, apesar dos limites naturais, representam uma nova alternativa para o crescimento mais equilibrado da área urbana de Balneário Camboriú.

Com base nessas informações, a ocupação de Balneário Camboriú já compromete municípios vizinhos, pois a exploração imobiliária e o crescimento desordenado já preocupa órgãos federais que vê como alternativa a alteração em seu zoneamento, em razão da exploração turística.

Segundo Macedo, (2002, p.181), “As paisagens litorâneas brasileiras são entre as diversas estruturas paisagísticas existentes pelo país afora, as que mais cedo, no processo de construção da nação, sofreram transformações radicais”.

Essas transformações já vem ocorrendo desde que o Brasil foi descoberto, com a ocupação humana no litoral, com a construção das cidades e dos portos para facilitar o acesso e a exploração inicial no processo de colonização.

Antes do advento do turismo, as áreas litorâneas eram ocupadas em pequena proporção, pelos pescadores e pelas pessoas mais pobres que não tinham condições para morar em outro lugar, e construíam casebres próximos aos morros. Com o passar dos tempos, a área litorânea passou a despertar o interesse dos mais afortunados que construíam casas de veraneio como a segunda residência para passar as férias ou fins de semana. Com o advento do turismo, e sendo o mar a grande atração para o turismo de massa, começaram surgir as primeiras pousadas, depois os hotéis, os condomínios fechados e por último os resorts.

Em Balneário Camboriú, isto não muito diferente, embora não tenha grandes complexos turísticos construídos na faixa litorânea, todo espaço marinho está praticamente tomado por empreendimentos hoteleiros, restaurantes e outros equipamentos que servem de suporte para a atividade turística. A paisagem que se ver em toda orla marítima de Balneário Camboriú, é com certeza da iniciativa privada, donos de rede hoteleira e restaurantes.
Segundo Rita Mendonça, (1999, p.21/22):

A paisagem se deteriora com o exercício da atividade turística das mais diversas formas, evidentes ou não. A transformação dos espaços naturais para implantação de edificações é uma delas. Além de alterar a paisagem de modo negativo, tendem a privatizá-la, tornando-as, muitas vezes, inacessíveis aos transeuntes em geral.


A ação antrópica dos espaços naturais que mais degrada o meio ambiente é causado pela urbanização e pelo turismo. O processo de especulação imobiliária em busca de novos espaços e o crescente crescimento urbano em áreas litorâneas tem causado uma série de problemas e de impacto ao meio ambiente.

Segundo Rita Mendonça, (1999, p.22):

As localidades turísticas têm dificuldades em solucionar os problemas de saneamento básico, pois a demanda sobre estes serviços é multiplicada, às vezes, por cem, em épocas de temporada e fins de semana prolongados. Nesses períodos, os efluentes domésticos chegam a atingir níveis muito superiores à capacidade de saturação: os despejos de fossas e esgotos acabam contaminando as praias, comprometendo a balneabilidade de suas águas.

A questão do saneamento básico é um desafio de difícil solução. A poluição das águas do mar com o despejo de efluentes, tanto de origem industrial quanto doméstico tem comprometido seriamente a qualidade das águas, deixando-as impróprias para o banho, principalmente as que estão próximas dos centros urbanos. Além disso, ainda existe o lixo lançado ao mar pelos navios e os de origem externa levado pelos rios e pelas marés.

De acordo com o relatório de balneabilidade de Balneário Camboriú, fornecido pela Fundação do Meio Ambiente do Estado, são feitos análises mensais no inverno e semanais durante o verão, nos 106 balneários de Santa Catarina para atestar se as os mesmos são próprios ou impróprios para o banho. A coleta é realizada de acordo com a quantidade de banhistas e de acordo com a proximidade de saídas d’água, como valas, tubulações, rios e riachos e que são locais onde as crianças e adultos costumam procurar, atraídos pela água mais quente e calma, desconhecendo que é ali que o esgoto deságua, chegando à praia.

A água contaminada pode trazer doenças como gastroenterite, verminoses, doenças de pele e até doenças mais graves de origem hídrica como hepatite, cólera e febre tifóide. O local será considerado impróprio para banho quando 80% dos últimos cinco resultados acusar acima de 800 Escherichia Coli por 100 mililitros, o que representa 80% dos coliformes fecais.

Para obter um resultado de balneabilidade, são feitas cinco coletas consecutivas, uma a cada semana. A coleta é feita sempre no mesmo local, a aproximadamente um metro de profundidade. Além da coleta, a Fundação também acompanha as condições climáticas, o vento, a maré, a temperatura e o PH da água. Tais fatores podem influenciar no resultado de balneabilidade.

Conforme informações obtidas através do site da Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú, a Secretaria do Meio Ambiente está desenvolvendo o Projeto Saneamento/Qualidade de Vida para acabar com a poluição em Balneário Camboriú. Atualmente, dos imóveis de Balneário Camboriú, 80,4% são atendidos pelo sistema de coleta e tratamento de esgoto sanitário da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (CASAN). E, desde o começo do Governo 2000 estão sendo identificados e lacrados os esgotos ligados clandestinamente na rede pluvial.

Também existe o projeto Banho de Mar, que teve inicio em outubro de 1999 quando a Secretaria da Saúde passou a analisar a água do mar em Balneário Camboriú. Para as análises da água do mar, são coletadas as amostras em 11 pontos da Praia Central, incluindo a foz dos rios Camboriú e Marambaia. Todo o processo é feito no Laboratório de Bromatologia, com moderno equipamento para testes de colimetria - quantificação do número de coliformes fecais.

Também, segundo informação da Prefeitura de Balneário Camboriú, a campanha de fiscalização dos esgotos iniciou em março e corresponde a segunda etapa do Projeto Banho de Mar. Um convênio firmado entre as Secretarias da Saúde e Meio Ambiente. O trabalho consiste na verificação de sete mil ligações de esgoto, o que representa 37 mil e 400 imóveis (ou economias) distribuídas no Centro e bairros das Nações e Pioneiros. Trata-se de um trabalho conjunto da Prefeitura de Balneário Camboriú e do Governo Federal, via Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e conta com o apoio da Casan e Secretaria de Estado da Saúde.

De acordo com o relatório de balneabilidade, muitas praias de Balneário Camboriú são consideradas impróprias para o banho. As praias próprias para o banho são as praia do Estaleiro, praia de Laranjeiras, praia de Taquaras enfrente à Escola Municipal, e as praias enfrente às ruas 51 e 1001.

2- O TURISMO EM BALNEÁRIO CAMBORIÚ
Em Balneário Camboriú são desenvolvidas várias atividades de lazer ao turista. São passeios de barcos ou escuna, o bonde teleférico no Parque Unipraias que une duas praias. O Parque Unipraias é um complexo de lazer e diversão com mais de 85 mil metros quadrados voltado à ecologia. Sua estrutura está dividida em três estações: A Estação Barra Sul possui um centro de lazer, compras e diversão com lojas, bares, restaurantes, estacionamento e espaço para eventos. A segunda estação, a Mata Atlântica, onde as pessoas se deparam com um verdadeiro paraíso natural ás alturas.

Está há 240 metros no alto do Morro da Aguada, equivalente a um edifício de 80 andares. Lá, encontra-se um Parque Ambiental de 60 MIL m2, um exemplo de preservação ecológica. Está estruturada com passarelas ecológicas; mirantes com vistas belíssimas para toda a cidade, a praia e redondezas; quiosques; anfiteatro ao ar livre e auditório panorâmico. Na Mata Atlântica, encontra-se também o Parque de Aventuras onde é possível praticar o arvorismo num passeio fantástico por trilhas suspensas nas copas das árvores.

O destino final é a praia de Laranjeiras na terceira Estação. Ideal para esportes náuticos que conta com serviços de bares, restaurantes e trapiche para embarcações. O acesso às estações é feito através de bondinhos aéreos, cabines fechadas e informatizadas com capacidade para 6 pessoas sentadas cada, partindo da área de embarque da Estação Barra Sul.

O turismo ecológico também está presente e se torna um convite espontâneo para os visitantes. O Parque Ecológico Rio Camboriú é modelo de preservação ambiental. Seus 172 mil m² de área verde estão no coração da cidade. As cinco trilhas ecológicas convidam ao ecoturismo, onde os visitantes podem observar os exemplares da fauna e da flora catarinense - como as bromélias. A Secretaria do Meio Ambiente cadastrou mais de 14 mil pessoas que visitaram o parque em apenas um ano, além das visitas escolares, numa média de 80 alunos por dia que passeiam e têm aulas práticas de ecologia no parque.

O Cristo Luz é um dos atrativos de Balneário Camboriú. O monumento tem 33 metros de altura, apenas cinco metros a menos que o Cristo Redentor do Rio de Janeiro. O detalhe do Cristo Luz é que ele tem na mão esquerda um canhão de luz de 6.6 mil watts que simboliza o sol e gira em torno de 180º banhando a cidade em forma de benção. O local foi transformado num complexo turístico com área para eventos, restaurantes, bar, lojas de souvenirs, estúdio fotográfico e uma gruta para homenagear Nossa Senhora Aparecida. Está a 600 metros da praia Central e tem acesso por pedalinhos e caiaques disponíveis na orla, ou através dos passeios de escunas.

A Praia Central com 6,8 km de extensão, é a mais badalada de Balneário Camboriú. Possui águas tranqüilas, porém em dias de ressaca se transforma no lugar preferido para os surfistas. Tem uma completa infra-estrutura, pois é onde se localiza os principais hotéis, bares, restaurantes, casas noturnas, além de um comércio variado. O calçadão da avenida Atlântica é o mais atrativo. Com uma moderna urbanização, toda orla marítima é completamente iluminada. No pontal sul, o agito noturno é geral.

O Parque Ecológico da Praia de Laranjeiras é uma pequena reserva onde se preserva importante área da vegetação da Mata Atlântica e manguezal, pois a Praia de Laranjeiras é uma pequena ilha, onde o acesso pode ser feito tanto por barcos, quanto pelo teleférico. A trilha do Parque Ecológico tem 1.500 m e seu percurso é feito em aproximadamente meia hora, apresentando médio grau de dificuldade.

Parque Cyro Gevaerd é o jardim zoológico de Balneário Camboriú. O Parque reúne atrações para toda a família. Lagos, museus, aquário, mini-fazenda e zoológico expõem várias espécies da fauna e da flora. Além disso, conta com um pavilhão para realização de feiras, exposições, congressos e eventos.

No zoobotânico, podem ser observados gatos-do-mato, jaguatiricas, capivaras, antas, jacarés, macacos e onças num ambiente que reproduz perfeitamente a Mata Atlântica nativa. Entre bromélias e filodendros, vários recintos abrigam aves como araras, papagaios, tucanos e em dois lagos, cisnes, flamingos e marrequinhas dão um espetáculo à parte. Um serpentário, com várias espécies de ofídios e animais peçonhentos completam o acervo. O aquário possui uma belíssima coleção de peixes e crustáceos de água doce e salgada, expostos em tanques de até 12 mil litros. Um grande espetáculo aquático é oferecido por cavalos marinhos, lagostas anêmonas e muitas outras espécies. O tartarugário é outra atração.

No Museu Arqueológico, pode-se observar mais de três mil peças de fósseis da civilização indígena de milhares de anos. São provenientes do sítio arqueológico da Praia de Laranjeiras. O museu oceanográfico apresenta uma grande coleção com espécies raras de peixes, moluscos, crustáceos, algas e corais. Outra opção é o museu de aves, mamíferos e répteis com vários espécimes empalhados. No museu do artesanato catarinense, existe mais de 700 peças entre vimes, cerâmicas, couros e representações folclóricas. No museu do pescador são observados os utensílios da pesca artesenal como a canoa, balaios e rede.

Balneário Camboriú é uma cidade privilegiada pela sua localização geográfica e pelas suas belezas naturais. Todos os recursos disponíveis são aproveitados para desenvolver a atividade turística em vários segmentos de mercado, sempre buscando atingir um grande público. Vários são os atrativos, naturais e artificiais, históricos e culturais. O Posto de Atendimento ao Turista de Balneário Camboriú/SC atua como importante fonte de apoio ao turista, prestando informações, funcionando como meio de divulgação dos atrativos da cidade, buscando atender as expectativas dos turistas.

O turismo em Santa Catarina se desenvolve de forma integrada entre os seus municípios para que o período da sazonalidade não afete a economia das localidades turísticas com muito rigor. Em decorrência das potencialidades de cada lugar, essa integração favorece para que muitas localidades desenvolvam suas potencialidades e consigam mantê-las em nível de uma economia de subsistência, como ocorre com Balneário Camboriú, conforme Machado (1999, p.244).
Segundo Machado, (1999, p.245):

Nos mais de duzentos e cinqüenta municípios (atualmente instalados) diversos tipos de atividades são produzidas, negociadas e consumidas como “mercadoria turísticas”, por brasileiros e estrangeiros durante o ano inteiro. Infra-estruturas fixas (hotéis, pousadas, restaurantes, terminais, centros comerciais e de lazer etc.) estão sendo incorporadas, e, nas devidas proporções, aos espaços habitados gerando metamorfoses. A paisagem em diversas peculiaridades do território catarinense é mercantilizada como a ordem econômica mundial lá se expressa, trazendo “progressos” e, em muitos, se refletindo em conflitos.

Essa busca incansável por novos modelos para projeção e produção da atividade turística como adequados em Santa Catarina, se mostra atualmente como uma forma de superar ou minimizar impactos negativos que a atividade tem causado algumas vezes, especialmente na faixa litorânea onde o espaço é rico em atrativo para estações de veraneio, conforme o autor.

Assim, a atividade turística tem se estendido além dos períodos de alta estação, surgindo diversos segmentos para atrair visitantes de toda parte do país, como forma de sobrevivência econômica complementar para muitas comunidades, possibilitando o estabelecimento permanente das mesmas.

Dessa forma, criou-se o calendário atrativo de Santa Catarina, com eventos populares no Estado, realizados em qualquer período do ano, tendo a participação dos grandes e pequenos municípios para estimular o turismo alternativo, criando uma rede solidária de eventos integrados, onde a parceria se estabelece em transações comerciais dos lugares, servindo de suporte para acolher os visitantes.

Como as cidades são próximas e nem todas dispõem de infra-estrutura hoteleira suficiente, as demais são procuradas para servir de cidade dormitório e com isso, todas saem ganhando. São várias as festas nacionais realizadas no estado, sendo a mais famosa a Oktoberfest em Blumenau, a Fenarreco em Brusque. Em Balneário Camboriú, a Santur, órgão oficial de Turismo, dispõe de um grande pavilhão para eventos e promove vários eventos, como congressos, seminários, feiras e exposições agroindustriais.

Nos períodos de março a junho, Balneário Camboriú transforma-se na Capital da Menor Idade, recebendo neste período cerca de 300 mil pessoas acima de 50 anos. São pessoas que buscam o conforto e sempre viajam na baixa temporada, aquecendo a economia da cidade neste período. Segundo a ABAV, “20% da receita gerada pelo turismo brasileiro é decorrente do fluxo de turistas com mais de 60 anos”.

O fluxo turístico de Balneário apresentou um aumento significativo, conforme a Prefeitura de Balneário Camboriú e Secretaria de Turismo e Comércio houve aumento de 5,2% de ônibus de turismo de 01 de dezembro de 2003 a 20 de janeiro de 2004 em relação ao período anterior. Segundo os dados, o total de grupos nacionais foram de 60,4%, o número de argentinos representou 19,7%, de paraguaios 12,1%, de uruguaios 4,6%, de chilenos 2,6 % e bolivianos 0,5%. O número de turistas estrangeiros cresceu 47,8%, relacionado a dezembro e janeiro da temporada passada, isto até o dia 20 do mês de janeiro.

O trabalho de divulgação e promoção da cidade é intenso e isto faz com que aumente ainda mais a sua demanda, pois a preocupação maior é investir em infra-estrutura de qualidade para assegurar a permanência e o retorno dos turistas.

Balneário Camboriú é uma cidade privilegiada pela sua localização geográfica e pelas suas belezas naturais. Todos os recursos disponíveis são aproveitados para desenvolver a atividade turística em vários segmentos de mercado, sempre buscando atingir um grande público. Vários são os atrativos, naturais e artificiais, históricos e culturais. O Posto de Atendimento ao Turista de Balneário Camboriú/SC atua como importante fonte de apoio ao turista, prestando informações, funcionando como meio de divulgação dos atrativos da cidade, buscando atender as expectativas dos turistas.

COMENTÁRIOS E CONCLUSÃO
O aproveitamento desta visita foi de grande importância para enriquecer nossos conhecimentos e possibilitar mais uma experiência com a realidade de outra destinação turística.

Balneário Camboriú é uma localidade que se mostra diferente e pôde ser avaliada sob a ótica da observação e da prática, proporcionando maior interação, favorecendo uma análise crítica dos aspectos observados, dando ao estudante de turismo a oportunidade de questionar situações, identificar problemas e constatar falhas no planejamento turístico, que ao longo de sua implantação e desenvolvimento, vem causando impactos ambientais irreversíveis na faixa litorânea, além da especulação imobiliária e do crescimento desordenado.

Considerando toda problemática do desenvolvimento do turismo em Balneário Camboriú, a cidade é acolhedora e hospitaleira. O estágio foi realizado através do cumprimento das atividades da visita técnica, realizando as visitas previstas no roteiro turístico de Balneário Camboriú, no período de 23 à 30 de maio de 2004, tendo como foco principal o Turismo em Balneário Camboriú, verificando a ocupação do espaço marinho, os atrativos turísticos visitados e observados, bem como as facilidades de acesso, a infra-estrutura básica e turística, e os serviços direcionados para o bem estar do turista.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANSARAH, Marília Gomes dos Reis. Formação e Capacitação do Profissional em Turismo e Hotelaria: Reflexões e Cadastro das Instituições Educacionais no Brasil. São Paulo: Aleph, 2002 (Série Turismo).
BISSOLI, Maria Angela Marques Ambrizi. Estágio em Turismo e Hotelaria. São Paulo: Aleph, 2002. (Série Turismo).
COOPER, Chris. Turismo. Princípios e prática. Chris Cooper, John Fletcher, Stephen Wanhill, David Gilbert e Rebecca Shepherd; trad.Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Bookman, 2001.
GUIA CAMBORIÚ. Disponível em <http//www.guiacamboriu.com.br.>, capturado em 30/04/2004.
MACEDO, Silvio Soares. Paisagem, turismo e Litoral. In YAZIGI, Eduardo, (org).-Turismo e paisagem. São Paulo: Contexto, 2002.
MACHADO, Ewerton Vieira. Festas de outubro em Santa Catarina: Notas para Compreensão de suas influências na (Re) organização do Espaço. In LEMOS, Amália Inês G. de. Turismo: Impactos socioambientais. São Paulo: Hucitec, 1999.
MENDONÇA, Rita. Turismo, meio ambiente e impactos espaciais/ turismo ou meio ambiente: uma falsa oposição? In LEMOS, Amália \Inês G. de. Turismo: Impactos socioambientais. São Paulo: Hucitec, 1999.
Ministério do Meio Ambiente – MMA – ZEE- Vale do Itajaí. Disponível em www.mma.gov.br/port/sds/zee/itajaí/fontes.html capturado em 07/05/2004.
PARQUE CYRO GEVAERD. Disponível em <http// www.santur.sc.com.br>, capturado em 22/04/2004.
TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi: Turismo e Qualidade: Tendências Contemporâneas. Campinas, SP: Papirus, 1993. (Coleção Turismo).
VELOSO, Marcelo Parreira. Visita Técnica: uma investigação acadêmica. Goiânia: Editora Kelps, 2000.

Autora:
Maria Aldenisa de Freitas Silva
Bacharel em Turismo com ênfase em Ecoturismo pela Faculdade da Terra de Brasília – FTB

 

 

Mande o seu artigo também, clicando na cartinha 
ao lado, e promova seu trabalho expondo-o aqui!

Voltar