Parque Nacional das Emas - GO - Ago/00

Voltar

O Parque Nacional das Emas é uma formação bastante diversificada de Cerrado. Nos 132 mil hectares da reserva, o visitante poderá observar, além da rica vegetação, muitos animais como veados-campeiros, tamaduá-bandeira, lobo-guará, emas, araras canindé, tucanos, sucuris e diversas outras espécies, algumas delas em perigo de extinção.

É um local que requer observação diferente, atenta a detalhes, e uso da sensibilidade para perceber a riqueza das adaptações da vida como, por exemplo, as palmeiras Indaiá com troncos enterrados ou as árvores de casca muito grossa para resistir ao fogo que seleciona a vida natural e ao mesmo tempo faz tudo crescer novamente.

Por toda essa diversidade, chega a ser frustrante sair do parque sabendo que se conheceu muito pouco do que a natureza ali apresenta. Mesmo quem vive no local e o pesquisa, sabe que não conhece o Cerrado, e não conhecer é uma característica instigante, um mistério apaixonante.

Diferentemente dos outros parques nacionais, sua área foi doada pelo fazendeiro Filogônio Garcia, para fins de preservação, mas que por falta de demarcação e legislação eficiente perdeu 90% da área original para fazendeiros e posseiros os quais atualmente utilizam esta área para cultivo de soja, algodão, girassol, milheto e outras culturas. 

Foi constituído como parque nacional em 1972, com 131 mil hectares, com ajuda de algumas pessoas da comunidade com destaque para ex-diretor Antônio Malheiros, com 40 anos de dedicação ao Parque.

Parque Nacional das Emas - Histórico

Parque Nacional das Emas - Trilhas
 

O parque possui 400 km de estradas, campo de pouso (1.200m de extensão), um Centro de Visitantes, alojamento para pesquisadores, local para refeições e sanitários. 
Oferece guias credenciados e condutores autorizados pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente).

  
  

Visitação
Com o pagamento de uma taxa de entrada de R$ 3,00, é possível visitar uma área restrita do Parque sem acompanhamento de guia. Entretanto os passeios são mais produtivos com a contratação de um bom guia local que auxilia o turista na observação e interpretação da diversidade natural. As prefeituras municipais informam os telefones das associações de guias. A visitação e a necessidade do guia precisam ser verificadas com antecedência, em virtude da iminente alteração do plano de manejo.

São três tipos de passeio/observação:

  1. Trilha interpretativa: identificação dos animais pelas pegadas, fezes e alimentos consumidos; identificação da vegetação.

  2. Trilha motorizada: de ônibus ou de carro, para observação, de animais escondidos no cerrado e os que não têm tempo de se esconder com uma aproximação mais rápida que nas caminhadas.

  3. Caminhadas em mata ou campo: onde se pode tocar a natureza, sentir o caminho, ver bem de perto aves, lagartos, tatu, tamanduá e outros animais

 As trilhas no Parque das Emas são muito extensas - algumas com mais de 40 km, e devem ser percorridas de carro. Atualmente não é permitido incursões à pé em algumas trilhas; o pernoite no parque também não é permitido, mas o turista dispõe de estrutura de hospedagem em fazendas e pousadas vizinhas ao parque. 
O rio Formoso, assim como outros rios, oferecem condições para prática de canoagem e rafting fora dos limites do parque. Existem áreas de conservação fora do parque que também merecem ser visitadas.

Parque Nacional das Emas - Turismo

A atividade ecoturística na região ainda é incipiente, apresentando uma baixa taxa de ocupação, devido as distâncias para se percorrer e por se tratar de uma região pouco conhecida para esta atividade.

Não é uma região para se conhecer durante um final de semana. É necessário mais dias para descansar e aproveitar um pouco da cultura goiania e os atrativos naturais.

A contratação de um guia local torna a visitação do parque mais produtiva e possibilita passeios nas atrações turísticas das cidades de entorno. É conveniente verificar as distâncias entre cada atrativo e o local de acomodação. Em sua maioria, os acesso aos atrativos são possíveis apenas por estradas de terra.

Parque Nacional das Emas - Acesso

Embora a maior parte da área pertença à cidade de Mineiros, GO, a visitação é mais fácil pelas cidades de Chapadão do Céu, GO, e Costa Rica, MS. Existem duas entradas de visitação; uma em Mineiros a qual dista 80km da cidade e outra em Chapadão do Céu, a 23km desta e a 40km de Costa Rica.

A Capital de estado mais próxima é Campo Grande, MS, (335km de Costa Rica); outras cidades com aeroportos comerciais próximos são Cuiabá, Goiânia e Cassilândia, todas necessitam traslados superiores a 350km.

De ônibus, os acessos são feitos a partir das seguntes cidades:

  • Chapadão do Céu: Cuiabá, Goiânia, Rio de Janeiro e São Paulo (todas via Jataí, GO)

  • Costa Rica: Campo Grande, São Paulo (via Cassilândia, MS), Cuiabá e Goiânia (via Mineiros)

  • Mineiros: direto das seguintes cidades: São Paulo, Cuiabá, Goiânia, Rio de Janeiro e São Paulo

  • Serranópolis: Cuiabá, Goiânia, Rio de Janeiro e São Paulo (todas via Jataí, GO)

Distâncias rodoviárias (km)

 

Chapadão do Céu

Costa Rica

Mineiros

Serranópolis

Belo Horizonte

1396

1505

1331

1286

Brasília

680

808

634

560

Campo Grande

389

335

509

445

Cuiabá

1424

682

508

1316

Curitiba

1676

1326

1521

1566

Goiânia

490

557

425

380

Rio de Janeiro

1828

1734

1560

1728

Salvador

2218

2339

2165

2108

São Paulo

1000

990

1131

1075

Parque Nacional das Emas - Cidades
Costa Rica, MS, apresenta voçorocas milenares compondo um conjunto de 8 canions; geisers em extinção, sítios arqueológicos, cachoeiras e cultura ligada à pecuária. Mineiros, GO, apresenta a maior capacidade receptiva com cachoeiras; mas a distância entre a sede do município e a entrada do parque a torna desaconselhável como opção. Chapadão do Céu, GO, possui algumas cachoeiras e é a cidade melhor posicionada em relação ao Parque. Serranópolis, GO, possui cachoeiras e sítios arqueológicos.

Principais atrativos

Um dos principais portões de entrada para o Parque Nacional das Emas, esta cidade se afirma no desenvolvimento do turismo ecológico. Localiza-se no sudoeste goiano, entre os Rios Água Amarela e Formoso, e a uma altitude de 840 metros, o município está a 460 km de Goiânia e 740 km de Brasília, pelas GO-302 e 050 e pela BR-060.

Principais atrações:

  • Salto do Rio Formoso: Há cerca de 20 km da cidade, na Fazenda Alvorada do Formoso e Pontal, o salto tem aproximadamente 12 metros, com corredeiras e remansos.

  • Corredeira da Usina: Situada a cerca de 5 km da cidade, na Fazenda Rancho Azul, o local é formado por fortes corredeiras do charmoso Rio Formoso

  • Prainha do Formoso: Localizada a 12 km do município, em um local de fácil acesso, a pequena cachoeira forma um remanso de águas claras e uma pequena praia

  • Cachoeira do Ivan Garcia: Com aproximadamente 8 metros e queda d'água em dois estágios, com largura de cerca de 40 metros, ela está localizada no Rio do Prata,  a 49 km da sede do município. A cachoeira é precedida por corredeiras e tem abaixo um bom local para banhos e descanso

  • Cachoeira da Prata: Trata-se de uma belíssima cachoeira no rio de mesmo nome, no Triângulo da Prata, a cerca de 25 km da cidade. Abaixo da queda d'água, o rio abre um grande remanso de águas profundas, apropriado para práticas esportivas.

  • Canyon do Rio Sucuriu: Com extensão  de aproximadamente 5 km. Surge onde o rio precipita num primeiro salto de cerca de 15 metros até um segundo salto chamado "Salto do Dagmar". Acima do primeiro salto, denominado "Salto do Filó",  existem locais raros e belos, próprios para banho e acampamentos.

Costa Rica, MS:
Foi elevada a distrito pela Lei 2.132 de 21/janeiro/1964 e Município criado pela lei 76, de 12/maio/1980. Originou-se a partir de um povoado na Fazenda Imbirussu.

O Município se localiza a leste do Mato Grosso do Sul, nas seguintes coordenadas geográficas, com latitude (S): 18°32'42" e longitude (W): 53°07'40". Possui uma extensão territorial de 5.740,80km² equivalente a 1,60% do total do estado. Seus limites são: ao Norte, com o Estado de Mato Grosso, ao leste, com o Estado de Goiás e o Município de Chapadão do Sul, ao Sul, com o Município de Água Clara; ao Sudoeste e a Oeste, com Camapuã, e ao Noroeste, com Alcinópolis.

Principais atrativos

 

  • Lages (16km): balneário natural composto por piscinas naturais, um pequeno canyon com saltos, corredeiras e matas.

  • Balneário Mundo Novo: no Distrito de Capela do Baús, possui pequenas cachoeiras e praia natural.

  • Salto Magestoso do Rio Sucuriu: (2km) queda com 76m de altura, formando um precipício, onde se forma uma cortina de espuma.

  • Saltinho: (2km) queda que forma uma seqüência de pequenos saltos que se precipita em meio à mata defronte ao Salto Sucuriú.

  • 1° Salto Sucuriú ou Salto Rapadura: no Distrito de Lages, divisa com Goiás, compõe-se de uma seqüência de pequenos saltos com águas cristalinas. Início da descida do sucuriú, na borda do Planalto Central Brasileiro.

  • Salto da Água Emendada: queda de 80m, vertente das águas do Rio Taquari.

  • Cachoeira das Araras: queda de 30m com uma beleza paisagística considerável, apresenta uma vegetação rica em espécimes do cerrado, mata estacionária e ciliar de encosta com formação de vale profundo.

  • Furnas e Canyons: (40km) compõe-se de um conjunto de canyons: Jauruzinho, Taquarizinho, Engano, Mutum, Furnas.

  • Borda da Serra da Boa Vista: (40km) borda da Serra das Araras, contendo pequenos cânions com vegetação de matas estacionárias.

  • Água Santa: (30km) Antigos guêiseres em extinção. Um lago, onde a pessoa não afunda e nem sente a profundidade.

  • Orquidário Natural: (12km) compõe-se de um imenso bloco de arenito silificado medindo cerca de 400m de extensão, coberto por um jardim natural com várias espécies de orquídeas, cactos e bromélias nativas.

  • Ponte de Pedra: (60km) divisão do Rio Sucuriú em dois braços, sendo que o da esquerda mergulha embaixo de vários blocos de pedra, criando uma ponte natural de pedras.

  • Gruta da Verdade: salão que abriga em seu interior um lago de águas cristalinas de coloração esmeralda.

  • Biolumenescência dos cupinzeiros: fenômeno natural no início do período das chuvas.

  • Gruta do Tope da Pedra: gruta com pinturas rupestres.

  • Pecuária: estilo de vida ligado à profissão de boiadeiro, possibilidade de encontrar e acompanhar as comitivas de gados, peões e carroças.

  • Mineiros (Relação não fornecida)

  • Serranópolis

Serranópolis
O município de Serranópolis, antiga Serra do Café, já era habitado há mais de 11.000 anos por nativos de nosso continente, considerando-se as evidências arqueológicas encontradas na região. Esta cidade merece ser visitada por seus sítios arqueológicos, suas cachoeiras, corredeiras e reservas de cerrado com presença de fauna característica. 

No século passado, migrantes de Minas Gerais, São Paulo e Bahia se fixaram, em terras próprias para lavoura e pecuária. Em 1914, por lei municipal de Jataí foi criado o Distrito de Serra do Cafezal e, em 1º de janeiro de 1959, o distrito se emancipa, com o nome de Serranópolis

Principais atrações

  • Museu de História Natural (fechado por falta de verba)

  • Serra do Cafezal

  • Sítio Arqueológico GOJA-03 (Pousada das Araras)

  • Sítio Arqueológico GOJA-01 (Gruta I do Diogo)

  • Gruta II do Diogo

  • Morro da Bandeira

  •  Morro do Baú

  • Morro da Mesa Serra Azul

  • Morro do Peão

  • Cachoeira do Corcovado

  • Cachoeira do Canguçú

  • Cachoeira da Barra do Douradinho

  • Ponte de Pedra - Cachoeira da Ponte de Pedra (da Felicidade)

  • Salto I do Itumirim - Salto II do Itumirim

  • Rio Jacuba - Corredeiras do rio Corrente

  • Casa Goiana

Outros Links para Matérias em Goiás:
- Alto do Paraíso

- Caldas Novas
- Chapada dos Veadeiros
- Corumbá

Reportagem : Yoko Nakamura

Voltar