Equatoriano no Rio de Janeiro - Abr/03

Voltar

Prezados senhores:
Sou equatoriano e o meu problema é o seguinte:

Chegamos no Rio no dia 4 de setembro ao hotel OCÉANO COPACABANA, na rua Hilario de Gouvea. Superado o primeiro problema que foi o intento do recepcionista de não respeitar a reserva, ficamos hospedados numa habitação do 5º andar, depois de alugar um cofre de "segurança" por US $ 2.00 por dia.
No dia da saída, 7 de setembro, uma das minhas filhas que deixou junto com meu dinheiro o dela, percebeu que faltavam US $ 100.00. Ela e o resto da família viajaram para Curitiba de ônibus enquanto eu ia de avião, pensamos que fosse engano dela. Difícil situação, quem tinha a chave era eu.

Durante a viagem pensei que possivelmente o dinheiro poderia ter-se misturado com o meu.

Quando cheguei em Curitiba, no apartamento do meu sogro (brasileiro), constatei que faltava uma quantia superior a US $ 2.000.00 do dinheiro que tinha para a viagem.

Meu cunhado, catedrático das universidades Federal e do Rio de Janeiro, também estava de passagem em Curitiba e voltou para o Rio na segunda-feira e fez a denuncia na Delegacia Legal da Hilario de Gouvea. Copacabana.

Na sexta feira seguinte que voltei ao Rio compareci na delegacia e na terça feira seguinte por problemas de saúde do detetive a cargo, fiz a minha declaração.

Obviamente que as possibilidades de que "o caso" seja impune são muito altas por eu não ter comparecido logo após o fato à polícia que, imagino, deveria ser feito.

O intuito da presente é alertar às autoridades da Cidade Maravilhosa para que desmascarem as máfias que existem no hotel de marras ou nos hotéis, pois eles aproveitam dos hospedes que na confiança do cofre só identificam o roubo quando, com certeza, já não podem atuar, pois saíram da cidade e provavelmente do Brasil.

Atencioso saludo,

Por: Marcelo Garcia Bueno
Formado na Universidade do Brasil (atual UFRJ).
 

 

 

Mande o seu diário também, clicando na cartinha ao 
lado, e conte para outros internautas como foi a sua viagem